Foi numa festa de jovens na cidade de Naviraí, há 34 anos, que Solange Nobre Torres Jorge e Vandir Zulato Jorge se conheceram e uma história de amor, carinho, dedicação e persistência começou. E junto dessa relação e casamento, também surge o amor e apreciação pela carreira de Defensora e Defensor Público.

Solange entrou na Defensoria Pública em 1º de agosto de 1994 e Vandir em 2 de junho de 1998. Ela admirava a imagem de duas profissionais que encontrava na rua impecavelmente trajadas com seus tailleurs (essa era a imagem da jovem) e posteriormente descobriu serem Assistentes Judiciárias (denominação da época). “Dra. Wanir Pereira dos Santos (in memoriam) e Fátima Maria de Oliveira realmente me inspiraram e mais futuramente, entrei no Fórum, como escrevente judicial, onde pude conhecer o trabalho delas e me encantei com a possibilidade de lutar pela efetivação dos direitos dos hipossuficientes”.

No tocante ao Defensor Público Vandir, sua entrada deu-se por admiração e inspiração no trabalho de sua esposa, Solange. Na época ele trabalhava na Justiça Federal TRF 3ª Região, como Oficial de Justiça/Avaliador e resolveu prestar concurso para ingresso na Defensoria Pública do Estado de Mato Grosso do Sul.

A Defensora Pública Solange Jorge conta que desde o ingresso na Defensoria Pública houve um grande crescimento da instituição. Os desafios do início, na questão profissional, pautavam-se pela falta de estrutura para o exercício das funções, pois havia poucos profissionais, Comarcas com grande distância e sem asfalto para substituir, e na questão pessoal a separação do casal com dois filhos pequenos morando em Comarcas diferentes, situação esta que perdurou por cerca de sete anos.

“Finalmente contamos com a amizade, o carinho e a solidariedade da colega Marisa de Fátima Gonçalves, atualmente Defensora Pública do Consumidor da Comarca de Dourados, que havia se inscrito no Concurso de Promoção por antiguidade para a Comarca de Naviraí, tinha preferência e desistiu do mesmo, oportunizando à época que eu e Vandir ficássemos na mesma Comarca” relembra a Defensora.

“Os desafios iniciais de falta de pessoal e estrutura foram superados com trabalho, determinação, e, especialmente, com orgulho de integrar uma instituição garantidora a todo cidadão o direito constitucional ao acesso à justiça, considerando, especialmente, que a Defensoria Pública contava com valorosos e combativos profissionais que nos serviam de exemplo e nos inspiravam a superar quaisquer dificuldades”, complementa.

O casal também conta que buscam separar a vida profissional da conjugal, deixando os assuntos relacionados ao trabalho para serem discutidos em ambiente próprio. Atualmente, ambos exercem a profissão na Comarca de Naviraí, sendo a Dra. Solange da área Cível e o Dr. Vandir da área Criminal.

 Associados

Como associados da ADEP-MS, o casal se mantém ativo desde que entraram na Defensoria Pública por entenderem que a ADEP-MS é a entidade legitimada a defender as prerrogativas, representar e reivindicar os direitos dos Defensores Públicos. Através da luta da associação foram obtidas conquistas e houve o crescimento da instituição no Estado e no país.

“Nos consideramos privilegiados por integrarmos a Defensoria Pública do Estado de Mato Grosso do Sul e exercermos uma atividade tão relevante que incumbe a promoção dos direitos humanos, a garantia do acesso à Justiça, o que é essencial em uma sociedade democrática, ainda mais com tanta desigualdade social como há no Brasil. Por mais que avancemos e modifiquemos a nossa forma de atuação, com utilização de ferramentas e instrumentos tecnológicos, sabemos que não poderemos nos descurar da escuta, do olhar respeitoso, do atendimento humanizado, conscientes do sentido do nosso trabalho e da importância deste, vivendo os desafios que o presente nos solicita”, conclui o casal de Defensores.

Dra. Solange e Dr. Vandir atualmente têm três filhos e ao longo desses 31 anos de casados (34 anos de união) comprovam que o amor é capaz de tudo. Passaram por muita persistência, criaram três filhos e continuaram unidos, mesmo ficando um tempo separados pela distância, mostraram que é possível trabalhar juntos e lutar pela carreira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *